frente-caes-alta (1).jpg

                                       
O que diferencia o homem dos outros animais? A chegada de um novo cão a sua casa leva uma menina a questionar se havia nos bichos algo além do que o imaginado pelos adultos. Encarando a humanidade como uma ficção, este romance passeia pelos ecos coloniais que marcam o traçado entre o litoral e o recôncavo brasileiros e destrincha os pilares que nos constituem como povo. Em Cães, as definições se dão pela diferença: para descobrir o que é humano, a autora busca primeiro pensar naquilo que não é. Cães é um romance sobre limiares, sobre o que nos une e o que nos separa, sobre a distância que há, enfim, entre os homens e os bichos (o homem é ou não é bicho?), os homens e as mulheres (as mulheres também compõem o que se chama de homem?), e, com uma linguagem densa e fluida, a narrativa apresenta o fio cultural que corre como uma herança repassada de geração a geração.

Sinopse

Laerte-Silvia-Collucci-1024x1020.jpg

Texto de orelha por Laerte

 “...as primeiras mensagens que troquei com a Julia são de 2015.
Não lembro quem fez a ponte – acho que o João Montanaro. Sei que desde o primeiro e-mail me senti fisgada pela sua escrita copiosa e inquieta.

Passei a aguardar esses e-mails mais ou menos como aguardava as aventuras de outra Julia, uma de quadrinhos que saía a cada 2 meses.

Os e-mails da Julia real tinham a vantagem de serem mais frequentes; em comum com os quadrinhos, exigiam e permitiam uma leitura extensa.

Logo ela se tornou, pra mim, algo daquilo de que me cerco pra perceber o mundo de forma mais atenta.

E eu vi uma escritora surgindo na minha frente, nas mensagens, nos ensaios e nos textos que ia me enviando também.

Acho que fui premiada por ter presenciado – mesmo à distância – essa arte se organizando, às vezes em folia, às vezes em sofrimento.

Diferente da personagem dos quadrinhos, em torno de quem a trama pode evoluir mas a pessoa é basicamente a mesma, eu vejo essa Julia crescendo enquanto escreve.

Estar pronta, no caso da Julia, é estar sempre se transformando."